quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

[Resenha] Leia a percepção poética do álbum em quadrinhos "Oráculos" por Amante da Heresia

O álbum em quadrinhos "Oráculos", edição que reúne 10 HQs do Ciberpajé (Edgar Franco) inspiradas no I Ching e no Tarô, recebeu uma detalhada e inspirada resenha no blog "Amante da Heresia". A resenha, com o provocativo título de [E]scUtÁcUlO d[E]sd[E] UmA [A]rt[E] prOf[A]n[A]tÓrI[A] foi escrita pelo próprio Léo Amante da Heresia e apresenta sua percepção poética de cada uma das 10 HQs presentes no álbum. Eis um trecho da resenha que pode ser lida na íntegra aqui, ou clicando na imagem abaixo criada por Heresia para ilustrar a resenha:

[...]as HQ|oráculos são uma técnica de apresentação por lentidão. é impossível deter-se nelas em um rápido voo panorâmico. cada traço, palavra, significado e narrativa verbo-visual é um convite ao mergulho na reflexão, na memória e na imaginação – as vemos como presença lenta já que não vão desaparecendo mesmo que nos movimentemos. 

Arte de "Amante da Heresia." Criada para ilustrar a resenha ela utiliza o desenho exclusivo do Ciberpajé feito no exemplar de Heresia e costeletas iconográficas criadas por Léo para iconicizar as costeletas do Ciberpajé

O Ciberpajé explica o conteúdo e contexto criativo de "Oráculos":

"Este álbum reúne dez histórias em quadrinhos criadas utilizando dois oráculos como fonte de inspiração, o I Ching e o Tarô. As HQs poético-filosóficas, reunidas pela primeira vez nesse volume, foram criadas ao longo de vinte anos e publicadas em revistas alternativas. Na primeira parte da edição apresento quatro HQs inspiradas nos hexagramas do oráculo milenar chinês I Ching, e na segunda parte seis HQs inspiradas nos arcanos maiores do Tarô. Essas histórias foram criadas após jogar o I Ching, ou sortear um dos arcanos maiores do Tarô, em momentos cruciais de minha vida, nos quais eu estava passando por uma experiência transformadora, tendo que tomar decisões importantes. As narrativas nasceram utilizando a essência simbólica do oráculo somando-a às minhas dúvidas e questionamentos do momento em que foram criadas, gerando metáforas de autotransformação e transcendência, encarando o processo criativo como um processo curativo na busca de minha integralidade de ser. Para mim a arte é um processo ritual introspectivo e fruitivo, e como artista assumo as HQs como uma legítima forma de arte e expressão autoral que tem como objetivo principal a transmutação do seu criador."

Para saber mais detalhes do álbum e adquirir um exemplar clique na imagem da capa abaixo.