segunda-feira, 21 de março de 2016

Ciberpajé cria arte da capa do livro "A Pantera e o Inominável"

Quem tem coragem de mergulhar na poesia? Quantos corajosos sobraram nessa era em que quase só os poetas leem poesia. Pois bem, se você tem coragem busque a obra de Joanna Franko e Inominável Ser (Giovani Coelho de Souza), dois dos poetas mais pungentes e corajosos dessa nossa era de contrastes. Fui convidado para criar a arte da capa desse livro intenso e cheio de sutilezas, que incrivelmente tem a tiragem de apenas 15 exemplares, já esgotados. Uma jóia rara para tão poucos leitores, uma declaração clara de que o SUCESSO de uma obra e sua qualidade não têm nenhuma relação com a sua POPULARIDADE ou com a FAMA de seus autores. Aliás, fama e popularidade na era da hiperinformação tornaram-se prerrogativas de idiotas descerebrados elegidos midiaticamente para dar continuidade à imbecilização contínua das massas. Ao receber meu exemplar de "A Pantera e o Inominável", devorei-o vorazmente e fiquei surpreso e extasiado ao encontrar dois poemas, um de cada autor, dedicados à minha obra. Gratidão eterna aos dois por esses grandiosos presentes, que faço questão de reproduzir aqui:
"Lendo as linhas de Edgar Franco"
linhas que
levam o espaço
na harmonia de ser...
é a geometria
com maestria
contornando
um novo compasso
um equilíbrio
entre
o ser
e o haver.
sem conflito
sem ganhar
sem perder
simplesmente Ser.
(joanna.franko)
Ser
é o resultado
Ser
é o caminho
Ser
é o trilho
Ser
é o ninho
Ser
é a tribo
Ser
é o grito
Ser
é o verbo
Ser
é o sentido
Ser
Sendo
Sou
Será
Ser
(Inominável Ser, a arte de Edgar Franco)
Agradeço aos poetas pela chance de ilustrar seus vôos com minha capa exclusiva. A edição singular é uma egrégora de artistas alternativos, tendo sido prefaciada por Denise Ávila, com arte de contracapa de Nua Arteira Estrela, e edição artesanal de Luiz Carlos Cichetto. (Ciberpajé)