terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Ciberpajé Edgar Franco concede entrevista sobre HQs e educação à coluna de quadrinhos do site Caneta e Café, confira!

Captura de tela do site Caneta e Café
O Ciberpajé Edgar Franco concedeu entrevista ao Francisco Costa do site Caneta e Café, para a seção "Coluna de Quadrinhos". A entrevista enfocou como as histórias em quadrinhos têm sido exploradas como expressão artística e as pesquisas que envolvem HQs no âmbito acadêmico, onde atua como prof. Dr. na Faculdade de Artes Visuais na Universidade Federal de Goiás. O Ciberpajé destaca a importância e o potencial dos quadrinhos como recurso didático em diversos níveis de ensino e como fonte de estudo em dissertações de mestrado e teses de doutorado.


Entrevista com Ciberpajé Edgar Franco realizada por Francisco Costa para o site Caneta Café - Coluna de Quadrinhos

1) Por que utilizar os quadrinhos como ferramenta de educação?
EF- Os quadrinhos emergiram como uma linguagem expressiva e artística única e de possibilidades comunicacionais ilimitadas. Eles fundem de maneira singular a linguagem escrita às imagens e essa soma amplifica seu potencial ao articular a escrita, que é naturalmente uma atividade de cérebro esquerdo - lógico, ao desenho/imagens que trabalham cognitivamente o cérebro direito - intuitivo. Pode ser utilizada em todas as idades da pré-escola ao pós-doutorado, existem muitas pesquisas desenvolvidas nessa linguagem, até teses de doutorado. Um bom exemplo do potencial educacional dos quadrinhos é o trabalho que a editora da UFG lançou em 2013, o álbum "BioCyberDrama Saga", parceria entre mim e o lendário quadrinhista Mozart Couto. Esse trabalho, que envolveu uma pesquisa de 15 anos, inclui uma longa introdução tratando do processo criativo do universo ficcional em que foi desenvolvido e pretende refletir sobre a emergência do pós-humano diante dos processos hipertecnológicos recentes. Ele pode ser utilizado transdisciplinarmente por muitos cursos de graduação como material paradidático.

Slide de comunicação oral no Cielli, Colóquio Internacional de Estudos Linguísticos e Literários na Universidade Estadual de Maringá, sobre o potencial de Biocyberdrama Saga para o ensino relacionado à Ciência, Tecnologia e Sociedade, em 2014
Slide de comunicação oral no Cielli, Colóquio Internacional de Estudos Linguísticos e Literários na Universidade Estadual de Maringá, sobre o potencial de Biocyberdrama Saga para o ensino relacionado à Ciência, Tecnologia e Sociedade, em 2014
Ciberpajé e IV Sacerdotisa apresentando comunicação oral no Cielli, Colóquio Internacional de Estudos Linguísticos e Literários na Universidade Estadual de Maringá, sobre o potencial de Biocyberdrama Saga para o ensino relacionado à Ciência, Tecnologia e Sociedade, em 2014

2) Qual o diferencial de um trabalho acadêmico feito dessa forma?
EF- A tradição acadêmica é a da linguagem escrita, certos setores tradicionalistas da universidade por anos tinham até ojeriza das imagens, então chegamos ao século da hiperinformação em que as pessoas são expostas a milhares de imagens técnicas diariamente e a universidade teve que se dobrar à imagem, finalmente. Essa postura arcaica de minorar a importância da imagem na formação cognitiva, intelectual e cultural era um erro grave. Os quadrinhos possuem um status especial nesse contexto já que como linguagem, naturalmente fundem escrita e desenho. Gostaria de ver as teses de todas as áreas feitas em quadrinhos, seria um ganho imensurável, a imagem tem um poder de síntese grande, mas em certos momentos o texto ainda é muito necessário, as HQs fundem os dois.

3) Você já orientou TCCs e Mestrados em quadrinhos. Qualquer trabalho pode ser feito dessa forma?
EF- Tenho orientado dezenas de TCCs, projetos de iniciação científica, mestrados e, mais recentemente, doutorados no Programa de Pós-graduação em Arte e Cultura Visual da UFG, esses trabalhos trazem pesquisas múltiplas no espectro dos processos de criação e quadrinhos. Todas elas envolveram aspectos teóricos e também a prática artística, ou seja, o produto final foi uma monografia/dissertação ou tese em linguagem escrita que versa sobre a produção prática, sendo essa uma ou várias histórias em quadrinhos criadas como parte da pesquisa. Quanto à utilização da linguagem dos quadrinhos com finalidades didáticas e de aprendizado, penso que qualquer trabalho/pesquisa pode ser apresentado e ou desenvolvido nessa linguagem, isso dependerá exclusivamente das intenções dos desenvolvedores.

4) As universidades e faculdades estão mais abertas a isso, ou é algo que sempre foi possível, mas não havia interesse?
EF- A universidade finalmente reconheceu a importância e unicidade da linguagem dos quadrinhos, hoje temos centenas de pesquisadores de todas as áreas do conhecimento pesquisando HQ na academia. O resultado disso é o surgimento de eventos de grande envergadura como as "Jornadas Internacionais de Quadrinhos da USP", evento que em sua terceira edição, em 2015, reuniu quase 300 artigos inéditos de pesquisadores de todo o país e da América Latina. Recentemente também foi criada no Brasil a ASPAS - Associação de Pesquisadores em Arte Sequencial, primeira associação nacional dedicada à pesquisa interdisciplinar de quadrinhos, confiram o site da ASPAS . Eu tenho participado de bancas de mestrado e doutorado em vários estados envolvendo a pesquisa sobre quadrinhos em áreas tão diversas quanto filosofia, história e matemática!

5) O que tem orientado e já orientou nesse segmento?

EF- Foram dezenas de trabalhos envolvendo processos criativos e linguagens intermídia emergentes. Já orientei TCCs investigando a criação de HQtrônicas, a relação entre HQs e games, e muitos envolvendo o processo criativo de quadrinhos autorais como base; dentre as dissertações de mestrado defendidas no Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual da UFG destaco: "Web Arte, Experiências Colaborativas e o Desenvolvimento da HQtrônica Interminatum", de Fernanda Machado de Souza, "Processos Criativos de Histórias em Quadrinhos Poético Filosóficas: Investigação teórica e produção poética", de Matheus Moura; "HQtrônicas e Realidade Aumentada (RA): Novas Potencialidades Narrativas", de Jordana Inácio de Almeida Prado; "Narragonia 3.0: Ficção Científica e Tecnognose em Experimentações Narrativas Gráficas", de Gabriel Lyra Chaves;  "[ENTRE] MUNDOS: Uma Narrativa Ficcional Transmídia", de Veramar Martins. No momento estou orientando 4 teses de doutorado que pesquisam quadrinhos: quadrinhos visionários, de Matheus Moura; realidade e ficção nos quadrinhos, de Ivan Carlo Andrade Oliveira; o Pateta faz história, de Ligia Maria de Carvalho e quadrinhos e animação, de Márcio Jr. Também estou orientando um trabalho de iniciação científica que versa sobre HQforismos, novo subgênero dos quadrinhos poético-filosóficos que funde HQ e aforismo e foi nomeado por mim e pela pesquisadora doutoranda Danielle Barros (FIOCRUZ/RJ), a aluna que desenvolve a pesquisa é Natasha Hoshino do Amaral.

Matéria no Caneta e Café

Aqui no blog postamos a entrevista na íntegra, e recomendamos que leiam a matéria publicada no Caneta e Café no LINK. Ao final do texto há uma amostra do trabalho de conclusão de curso em andamento do estudante de design Jonathas Ramos, orientado por Franco, uma HQ intitulada "O Intangível" com viés futurista. Confira!


Captura de tela do site Caneta e Café
Se você curte quadrinhos & educação, compartilhe!